Autor Tópico: Yamaha T-Max Tech Max 2011 - Teste  (Lida 4617 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline mib

  • Administrador
  • *
  • Mensagens: 5674
  • Sexo: Masculino
  • MSP desde sempre
  • Modelo: BMW C650GT - A Teutónica
  • Localidade: Tercena
Yamaha T-Max Tech Max 2011 - Teste
« em: 12 Mar | 2011 | 09:49 »
Primeiro foi a BlackMax, depois a WhiteMax, a Yamaha oferece agora aos seus entusiastas a ultima série especial de denominação TMAX. Chama-se TechMax e certamente decepcionou aqueles que esperavam por uma revisão da motorização e outros equipamentos para 2011, mas deliciou outros, conquistados pela cor de titânio e uma vontade de se diferenciar. Visualmente, a TMAX ganha em acabamentos e desportividade, mas permanece intrinsecamente a mesma... melhor!

Uma oportunidade de se assumir o guiador de uma Yamaha TMAX não se recusa. Quando a Yamaha disponibiliza as chaves do seu "veículo de sensações" não nos fazemos rogados. Embora as mudanças (este ano) sejam apenas no seu visual, sendo que, para apresentar esta nova referência de 2011, poderíamos muito bem recorrer a informações e fotos guardadas do ano anterior.
Não esqueçamos que TMAX 500 continua a ser a Maxiscooter mais vendida e que guia-la e sentir a sua condução pode ser muito útil para entender o seu sucesso, mas também notar a diferença que a separa da sua única concorrente, a Gilera GP 800. É certo que aos controles de Gilera GP 800, encontramos um grande binário e sensações dinâmicas de uma hyperscooter, mas torna-se claro que a italiana não tem a ciclística da japonesa. Mais homogénea, embora menos potente, a Yamaha TMAX atraiu multidões, e os números de vendas desde 2010, onde terminou o ano no degrau mais alto do pódio das Maxiscooters. Assim, apresentada nas suas novas cores TechMax ninguém duvida que a série especial de 2011 vai alcançar o mesmo sucesso que as séries especiais anteriores da Yamaha TMAX SE, chamadas BlackMax (2006-2007) e WhiteMax (2010).

Ao contrário das versões anteriores da própria Yamaha TMAX 500, a Tech Max 2011 apresenta-se mais discreta. A escolha da cor titânio mate é obviamente menos "apelativo"que o preto mate ou o branco de edições anteriores. No entanto, continua muito atraente. Esta cor, Yamaha "tech", aparece em todas as carenagens. Para proporcionar algum contraste, as laterais e cobertura da cofragem central adopta uma textura metálica. O aparecimento duma bi-tonalidade encontra-se nas jantes com uma parte central de titânio colorido e laterais polidas. A consola apresenta um logótipo estampado. O assento mistura preto com cinza claro, descobrimos o novo painel de iluminação e cores separadas. É cercada por uma textura que imita o carbono no mesmo material instalado no fim em plástico do assento (ao redor da porta de acesso ao depósito de gasolina). Tudo é feito com o brio e o acabamento revela-se impecável.

Yamaha TMAX TechMax é um veículo gratificante, sem o ser "demasiado". Faz-nos querer agarrar o guiador e testar as suas capacidades atléticas. Hoje o veículo é movido por um bi-cilindro de 500 cm3 em paralelo e desenvolve a potência de 43,5 cv. às 7500 rpm. Não detém o título do mais rápido a arrancar, no entanto, ele recupera como nenhum outro. A sua aceleração (muito grande) é perfeitamente linear e augura-lhe uma condução de carácter desportivo, nomeadamente em acelerações em saídas de curva. Enquanto isso, a superior tecnologia da TechMax mostra-se solidamente construída e suficientemente reconfortante para permitir muitos excessos. Muito rigorosa, o que ajuda a colocar a Yamaha na sua trilha e oferece um manuseamento cujo padrão é difícil, senão impossível de definir. A travagem é potente e mensurável. A nossa máquina de teste era bem equipada com ABS, uma opção apenas para tranquilizar dado o preço da máquina. Regressando a ritmos mais convencionais, nomeadamente na cidade, a Yamaha torna fácil a vida quotidiana. Alguns podem-se queixar dela não ter o espaço da Yamaha Majesty 400, por exemplo, mas, no espaço sob o banco ainda pode deixar o seu capacete modelar e ainda algumas outras bugigangas. No restante, graças ao seu motor, a distribuição da sua massa (108,2 kg na dianteira, traseira 118,8 kg), ou o seu ângulo de direcção, manobra-se como se de um veículo de 250cc se tratasse. E seja com pendura ou no tráfego, as suas performances são suficientemente francas para se livrar de qualquer situação com... um som assustador.

Motards que passaram para as Maxiscooters ou Scootards experientes procurando uma duas-rodas potente e recompensadora, não podem deixar de apreciar a Yamaha TMAX 500. Esta decoração TechMax deve, portanto, sem qualquer surpresa, exercer a mesma atracção não obstante o valor a pagar. O bilhete de entrada para a Yamaha TMAX já é caro, e para a TechMax é ainda mais.
Os puristas, decepcionados com a falta de evolução, não deixam de mostrar o seu descontentamento e ainda mais entre 2010 e 2011, a série especial Yamaha aumentou o seu preço.
Dito isto, não podemos culpar a Yamaha por não alterar uma receita que funciona. A TMAX praticamente não tem concorrência e os seus números de vendas são muito bons. Por conseguinte, é provável que a produção da família “T-Max” permaneça no mesmo estado por algum tempo... Esperemos estar errados.

fonte:scooter-station